Diagnóstico financeiro empresarial: tudo o que você precisa saber

17 minutos para ler

Toda empresa conta com recursos financeiros limitados. Há uma quantidade finita de dinheiro no caixa e limite de crédito com seus fornecedores, então é preciso aproveitá-los com máxima eficiência. Nesse contexto, o correto diagnóstico financeiro é essencial.

Em resumo, pense no diagnóstico financeiro como um “pente fino” nas contas da empresa, no intuito de avaliar o que vai bem e o que precisa ser corrigido, garantindo, assim, o melhor gerenciamento do dinheiro disponível. Por consequência, os prejuízos podem ser mitigados.

Fazer um bom diagnóstico, na prática, depende de muitas coisas, como o monitoramento de relatórios financeiros, o envolvimento do CEO e o uso de bons softwares gerenciais.

Nos tópicos seguintes, explicamos com mais profundidade o que é diagnóstico financeiro, qual a sua importância, como deve ser feito de maneira acertada e quais os riscos de deixá-lo de lado. Portanto, continue a leitura dos próximos tópicos atentamente. Vamos lá!

O que é diagnóstico financeiro?

Você provavelmente já foi até um médico fazer exames clínicos e avaliar se sua saúde está em ordem. É possível que seu médico tenha pedido diferentes exames e conversado sobre seus hábitos pessoais, para depois dar um diagnóstico. Isto é, um parecer sobre sua saúde.

Quando se trata da saúde financeira da sua empresa não é muito diferente. É necessário aplicar testes financeiros, monitorar indicadores e analisar relatórios administrativos para diagnosticar a saúde financeira da empresa — o que vai bem e o que precisa de melhorias.

Portanto, pense no diagnóstico financeiro como um conjunto de práticas que objetivam analisar os pontos fortes e fracos das finanças empresariais. Assim como as oportunidades e ameaças futuras, promovendo um parecer completo para a tomada de decisão gerencial.

Quando melhor o parecer financeiro, mais nítida será a visão do CEO e, por consequência, melhores serão suas decisões diárias. Além disso, será possível ter mais clareza da saúde da empresa e suas principais deficiências, entre outras vantagens que são explicadas adiante.

Entendi o que é diagnostico financeiro, mas por que falar disso?

Quando você vai ao médico e descobre que tem alguma doença, pode tratá-la de diferentes formas — por meio de medicamentos, mudança de hábitos ou procedimentos cirúrgicos. O fato é: você vai saber qual o problema e como ele pode ser resolvido. Na empresa não é diferente. O diagnóstico é o primeiro passo para maximizar suas finanças. Entenda o porquê, adiante.

Aprimora as decisões financeiras gerenciais

Estima-se que um adulto comum tome mais de 35 mil decisões diariamente. Quando se trata do proprietário ou diretor de uma empresa, essas decisões comumente determinam a direção financeira da empresa e podem levá-la ao sucesso — ou ao fracasso, infelizmente.

Tendo isso em vista, é preciso prezar pela tomada de ótimas decisões. Não é possível perder muito tempo, energia e especialmente dinheiro com coisas erradas.

O diagnóstico financeiro permite que a liderança tenha uma visão mais holística do que acontece dentro da empresa e o que precisa ser melhorado. Por consequência, subsidia boas decisões gerenciais, escolhas mais rápidas e que gerem múltiplos benefícios financeiros.

Permite a inferência de causalidade aos problemas

Toda empresa lida com uma série de problemas indesejados. Por exemplo, o capital de giro é insuficiente para repor o estoque ou os investimentos realizados não têm alto índice multiplicador (isto é, ROI). A questão mais importante é: qual a causa desses problemas?

Muitos gestores tentam resolver problemas financeiros atacando itens que não são a real causa do problema. É como tentar solucionar uma gripe tomando remédio para dor nas costas. O motivo: não fizeram um diagnóstico financeiro e agem com base na intuição. Por consequência, o problema financeiro nunca é solucionado e tende a piorar com o tempo.

O correto diagnóstico permite inferir causalidade, em outras palavras, identificar a causa-raiz do problema financeiro que assola a empresa. Desse modo, é possível tratar o problema de maneira acertada, economizar recursos e promover a aprendizagem da organização.

Melhora a própria administração financeira

A administração financeira é muito complexa. É preciso saber gerenciar o fluxo de caixa, monitorar as tarifas bancárias e os custos que são (ou não) estratégicos para o crescimento do empreendimento. Quando isso não é bem feito, a empresa pode ter vários prejuízos.

Nesse contexto, o diagnóstico financeiro empresarial pode ser de grande relevância. Ele ajuda a identificar o que está sendo bem feito e precisa ser padronizado, bem como as más práticas que precisam ser neutralizadas, corrigidas e/ou até mesmo eliminadas.

Sendo assim, o diagnóstico é o primeiro passo para o processo de melhoria contínua, no qual as práticas financeiras são avaliadas periodicamente para promover mudanças que beneficiem o empreendimento e seus investidores. Desse modo, todos são beneficiados.

diagnóstico financeiro

Quais as diretrizes gerais do diagnóstico financeiro empresarial?

Antes de explicar o passo a passo para um bom diagnóstico, é preciso entender as diretrizes gerais. Pense nessas diretrizes como macro-tarefas que são necessárias ao diagnóstico. São elas: coleta dos dados financeiros, mineração dos dados e análise minuciosa dos seus resultados. Quando essas macro-tarefas são bem realizadas, o diagnóstico é muito preciso.

Coleta de dados financeiros

Novamente, imagine o seu médico. Quando você vai fazer uma consulta, ele não apenas olha para você e diz se tem (ou não) um problema. O médico necessita de dados diversos e profundos, então solicita uma série de exames clínicos. Só depois dá o diagnóstico.

Para fazer um bom diagnóstico financeiro, você também precisa de dados. Não basta contar com seu conhecimento financeiro ou feeling. É preciso coletar dados volumosos, verídicos e variados (lembre-se sempre desses 3 V’s) sobre as finanças empresariais.

Felizmente, há uma série de fontes de dados. O seu software gerencial, planilha financeira no Excel ou relatório de fluxo de caixa são bons exemplos. Também, é possível obter dados do mercado por meio de instituições públicas, como o Banco Central do Brasil.

Mineração de dados

Após coletar os dados desejados, é o momento de trabalhar com eles e extrair informações que sejam relevantes à administração financeira — isso é chamado de mineração.

Para ficar claro, pense no dado como uma “unidade básica de conhecimento”. Ele diz algo, mas comumente não é algo suficiente à análise. No entanto, quando você coleta e estrutura um grande volume de dados, essas unidades básicas se transformam em informações.

Imagine, então, as informações como dados estruturados. Eles são capazes de dizer como está sua situação financeira, o que está dando certo e o que precisa de ajustes.

É muito difícil fazer a coleta e mineração de dados de maneira manual. Se for um volume realmente grande de dados, torna-se algo impossível. Portanto, o mais recomendado é que se use boas tecnologias, como softwares gerenciais e sistemas de análise estatística.

Análise meticulosa dos dados

Se você coleta e estrutura um grande volume de dados, está indo muito bem. No entanto, falta o mais importante: a análise minuciosa. É preciso olhar para os seus dados financeiros e avaliar o que eles querem dizer, depois extrair conhecimento dessa análise.

Essa tríade coleta-estruturação-análise está abrindo um novo campo competitivo, chamado de competição analítica — que certamente é mais relevante às decisões financeiras.

Para fazer boas análises e subsidiar decisões acertadas, é interessante transformar seus dados em gráficos e tabelas de fácil compreensão. O desafio é transmitir um grande volume de dados financeiros de maneira simples, mas sem perder profundidade e relevância.

No próximo tópico, explicamos de maneira minuciosa como essa tríade pode ser feita para gerar informações estratégicas e tornar a sua empresa financeiramente mais competitiva.

diagnóstico financeiro

Como fazer o diagnóstico financeiro, há um passo a passo?

Como a tríade coleta-mineração-análise de dados financeiros pode ser operacionalizada no expediente? Essa é uma ótima questão e sua resposta pode variar um pouco de acordo com cada empresa. Todavia, existem algumas etapas genéricas (aqui chamadas de passo a passo) que podem ser úteis a todas as empresas. Confira as mais relevantes, nos tópicos seguintes.

Tenha um objetivo financeiro

Primeiro, é preciso ter um objetivo para o diagnóstico que será feito. O que exatamente você quer analisar? É preciso ter em mente que quanto maior o escopo do seu projeto, maior será o seu trabalho e volume de dados que precisam ser analisados.

Você pode, por exemplo, fazer um diagnóstico da estrutura de capital da empresa e avaliar como está a relação entre capital próprio e de terceiros. Ou analisar as margens do seu empreendimento, avaliando lucro, endividamento e rentabilidade.

Portanto, comece delimitando o seu diagnóstico financeiro. Estabeleça um objetivo. Depois o período de análise (os últimos 2 ou 5 anos, por exemplo) e o prazo para que tudo esteja pronto. Desse modo, terá um direcionamento mais claro ao longo do projeto.

fomento mercantilPowered by Rock Convert

Mantenha seus dados financeiros em ordem

Essa segunda dica é crucial ao diagnóstico financeiro, mas útil para toda a administração. É preciso manter seus dados financeiros em ordem, garantir que estejam sendo registrados de maneira correta e regular — dessa maneira, terá “insumo” suficiente para seu diagnóstico.

Há uma enorme quantidade de dados financeiros, alguns dos principais são:

  1. registro das receitas e despesas diárias (fluxo de caixa);
  2. custos diretos e indiretos, bem como fixos e variáveis do negócio;
  3. tributos pagos (impostos, taxas e contribuições ao governo);
  4. dados de adimplência e inadimplência dos seus clientes;
  5. dados sobre custo de crédito (tarifas bancárias e taxas de consórcio).

Quando mais dados financeiros tiver, mais fácil será fazer um diagnóstico que seja preciso e confiável. Por outro lado, se não conta com dados financeiros, é o momento de começar a registrá-los para, depois, dar continuidade ao seu diagnóstico financeiro empresarial.

Conheça os dados do seu mercado e concorrência direta

Um bom relatório depende, em primeiro lugar, dos seus dados financeiros. É preciso conhecer o seu fluxo de caixa e nível de endividamento, entre várias outras coisas. Todavia, nenhuma empresa está dissociada do mercado — portanto, também é preciso conhecê-lo.

Pense no seguinte: como saberá se o faturamento ou percentual de lucro está adequado, se não conhece os números dos seus concorrentes. Ou como saberá se seu crescimento anual foi adequado, se não tem números de crescimento do seu mercado. Fica difícil, certo?

Então, empenhe-se em coletar dados da concorrência e do mercado. Algumas instituições, como o banco central e sindicatos, divulgam periodicamente dados financeiros sobre o seu mercado. Aproveite-os! No caso da concorrência, é preciso usar táticas de benchmarking.

Transforme os dados em gráficos, tabelas e relatórios

Se até aqui tudo correr bem, você já tem um escopo para o seu diagnóstico, bem como dados da sua empresa e do mercado. É hora de transformar tudo isso em gráficos, tabelas e relatórios financeiros, o que vai facilitar sua posterior análise.

Essa é uma das etapas mais fáceis, desde que tenha os dados adequados. Muitos sistemas automatizam ou, no mínimo, facilitam bastante a criação dos seus relatórios.

O sistema Power BI, da Microsoft, é um bom exemplo disso. Também existem softwares abertos, que são totalmente gratuitos, é o caso do R ou Python, que viabilizam a criação de grandes relatórios. Em muitos casos, o próprio Excel é suficiente.

Avalie os seus resultados

Essa etapa tem um viés mais imersivo. É preciso olhar com profundidade para os dados, gráficos e tabelas, depois extrair insights que sejam úteis à empresa, bem como identificar gargalos que precisam ser corrigidos ou eliminados. É hora de avaliar os resultados.

Para tanto, lembre-se do antigo ditado “muitas cabeças pensam melhor do que uma”. Ou seja, é interessante envolver mais pessoas na análise dos dados, como outros diretores ou até consultores especializados. Assim, terá mais chances de chegar a algum lugar.

No processo de análise, é importante:

  • ter paciência, algumas informações só se revelam após muito estudo;
  • ser flexível, não adianta começar a análise com crenças muito fixas, é importante que os dados revelem as coisas;
  • assumir uma postura mais colaborativa.

Encontre soluções para o futuro

Quando você vai ao médico, não é suficiente saber que você tem algum problema de saúde. Também é preciso saber exatamente como solucioná-lo. Tendo isso em vista, a última etapa do seu diagnóstico deve ser a de encontrar possíveis soluções para o futuro.

Se identificou que seu custo de capital está alto, uma solução é a busca por novas fontes de financiamento dos projetos — a venda de direito creditório, também chamado de fomento mercantil é um bom exemplo disso.

Em alguns casos, também é útil projetar o seu futuro. Use os dados coletados para fazer uma análise prospectiva, isto é, de como será o futuro da empresa, caso tudo se mantenha constante ou determinadas variáveis mudem. Assim, terá uma visão ainda mais holística.

Quais as vantagens do diagnóstico financeiro empresarial?

Como pode observar, a tríade coleta-mineração-análise dos dados financeiros envolve diferentes passos, porém, não é nada absurdamente complexo. Suas vantagens, no entanto, são diversas e garantem que a empresa seja mais competitiva no mercado.

Um das principais razões é pelo que hoje é convenientemente chamado de data-drive business. Em tradução livre, negócios orientados por dados. Ao contar com relatórios, sua empresa será administrada com base nos dados, não no simples achismo do seu CEO.

Outra vantagem está ligada à estrutura de capital. Será possível conhecer a atual estrutura de capital do empreendimento, bem como identificar novas fontes de recursos financeiros para o futuro. O fomento mercantil, já explicado, é um bom exemplo disso.

Essas duas vantagens resultam em uma empresa mais enxuta e orientada por dados, o que representa uma verdadeira vantagem competitiva. Sendo assim, será possível alcançar uma performance superior à média do mercado, deixando seus competidores para trás.

Como um diagnóstico financeiro errado afeta a empresa?

Deixar de fazer um diagnóstico financeiro envolve uma série de prejuízos à empresa — todos os benefícios citados até aqui podem nunca ser alcançados. Contudo, um perigo menos explícito (mas igualmente prejudicial) é fazer um diagnóstico incorretamente. Decisões erradas, custos adicionais e conflitos internos são alguns exemplos. Entenda mais, adiante.

Eleva o número de erros financeiros

O que determina o sucesso nos negócios são as decisões financeiras da alta administração. Onde colocar o capital, por quando tempo e quais novos investimentos serão selecionados. Quando o gestor se baseia em diagnósticos errados, essas decisões são afetadas.

Imagine, por exemplo, tendo que decidir quais projetos devem ser adotados, ampliados ou cortados em certo período. Você recebe um relatório com os custos iniciais e expectativas de retorno no tempo. Essas expectativas, no entanto, foram mal calculadas e não apresentam o potencial de retorno real do investimento. O mais provável é faça escolhas erradas.

Essas escolhas erradas não afetam apenas a saúde financeira da empresa, também atinge os seus funcionários, fornecedores e até os clientes finais. Sendo assim, as decisões erradas criam uma cadeia mais longa e devastadora, afetando quase todos os stakeholders.

Aumenta os custos operacionais diários

Um grave problema é o aumento do custo operacional. Em resumo, isso quer dizer que a empresa terá que gastar mais dinheiro para sustentar suas operações diárias, tornando-a mais onerosa e menos competitiva que antes.

Nesse caso, é interessante imaginar que uma empresa tem um ponto de equilíbrio (medida em que as receitas igualam as despesas) de R$1.000.000. Após sucessivos erros, tendo em vista suas más decisões financeiras, esse ponto de equilíbrio cresce em 30%. Isso quer dizer que, só para se manter, a empresa terá que faturar R$300.000 a mais do que antes.

Existem muitos outros problemas ligados ao aumento do custo operacional. Por exemplo, a margem de lucro decresce, assim como o percentual de rentabilidade. Além disso, o índice de liquidez do negócio tende a cair, dado que seu nível de endividamento geralmente sobe.

Promove mais conflitos interpessoais

Por fim, há que se considerar o próprio aumento do número de conflitos interpessoais na empresa. Quando as coisas começam a dar errado e não há uma explicação clara, como é o caso de diagnósticos incorretos, é possível que os profissionais se acusem mutuamente.

Esses conflitos tornam a situação dentro da empresa delicada e afetam o clima de trabalho. Ou seja, os profissionais podem experimentar um menor nível de bem-estar, visto que as relações estão mais fragilizadas do que antes.

Além disso, conflitos tendem a gerar custos adicionais. O trabalho passa a ser mais mal feito, os erros operacionais crescem e os profissionais talentosos optam por deixar o local de trabalho, resultado em custos com rotatividade. Ou seja, todos são prejudicados.

Qual a importância de contratar uma empresa especializada?

Como pode observar até aqui, não é impossível fazer um ótimo diagnóstico financeiro, mas também exige alguns conhecimentos específicos. É preciso saber coletar, minerar e analisar grandes volumes de dados financeiros, bem como identificar possíveis soluções.

Muitos gestores — e suas respectivas equipes — são aptos para fazer esse processo. Se esse é seu caso, ótimo. Comece com a definição do escopo do seu projeto e siga os demais passos explicados. Como resultado, poderá diagnosticar a saúde financeira da sua empresa.

Todavia, se você não está seguro ou não tem know-how para realizar o diagnóstico, é interessante contar com uma empresa especializada. É fácil compreender o papel dessa empresa: conduzir todo o processo de diagnóstico e te entregar um relatório final.

Existem muitas vantagens de contar com uma consultoria. A primeira delas é que terá mais segurança nas suas decisões financeiras. Também poderá manter o foco no seu core business e focar no que você realmente entende, enquanto a consultoria realiza seu diagnóstico.

Enfim, agora você está por dento do assunto. Lembre-se de que o diagnóstico financeiro é um conjunto de práticas que objetivam analisar os pontos fortes e fracos das finanças da sua empresa, bem como as oportunidades e ameaças presentes no mercado. Esse processo deve ser contínuo. Ou seja, é preciso sempre diagnosticar gargalos e extraindo insights.

O primeiro passo será sempre definir o seu objetivo, afinal, não tem como analisar tudo de uma única vez. Em seguida, é o momento de coletar dados financeiros da sua empresa e do próprio mercado, estruturá-los e analisá-los em profundidade. Por fim, basta identificar possíveis soluções aos resultados indesejados e fazer projeções financeiras para o futuro.

Então, gostou do nosso artigo? Então, não guarde esse conhecimento apenas com você, aproveite para deixar seus amigos por dentro do assunto. Compartilhe nosso artigo em suas redes sociais. Vamos lá!

Posts relacionados

Deixe um comentário